• Garimpei Com

A objetificação de corpos negros reflete nos dias de hoje?

A objetificação, assim como a animalização dos corpos negros são resquícios do olhar da #branquitude sobre nós como objetos.

Por: Samira Soares @narrativasnegras

em parceria com @icarojorgesilva


Antes de entrar no texto de fato, leia esse trecho:


"Cale o cansaço, refaça o laço. Ofereça um abraço quente. A música é só uma semente. Um sorriso ainda é a única língua que todos entende.
Tio, gente é pra ser gentil"

(Emicida)



Num estado que normaliza a morte dos jovens negros e pobres, que acha comum ver negros em desespero por falta de trabalho, que normaliza a exclusão de pessoas negras no acesso à saúde, quem é realmente gente?


Mas afinal o que é #objetificação?


A objetificação é um mecanismo racista utilizado para tratar certos corpos como objetos, assim como esse termo, utiliza-se a animalização para tratar sobre corpos marginalizados numa sociedade

A história do #racismo no Brasil evidencia a objetificação como método de opressão e violência. Osmundo Pinho vai trazer como esses processos de objetificação influenciaram a construção da masculinidade do homem negro, a partir da sua hiperssexualização.


Lugar do Negro:

Segundo Lélia Gonzalez e Carlos Hasenbalq, o racismo estrutural se reorganiza a partir da economia e da política para incidir sobre esses corpos de forma a excluir e marginalizar a pessoa negra.


Portanto, esse processo de objetificação se concretiza de forma a manter o racismo estrutural, animalizando nossos corpos para gerar exclusão.

Mulheres Negras:

Quando se discute a objetificação da mulher negra, torna-se fundamental perceber como, em todos os âmbitos, temos nossos corpos animalizados.

Em Mulher, raça e classe de Angela Davis, ela apresenta como as mulheres negras do período colonial nos EUA foram consideradas "desprovida de gênero" por terem sido abusadas pelos senhores brancos e exploradas pelo violento sistema escravista. No Brasil não foi diferente.


Mulheres #negras ainda são consideradas como desprovida de gênero, não foram poucos os comentários perversos direcionados às "Globelezas". Mulheres pretas exibidas feito "mulata exportação", assim como pode-se ver na página @euempregadadomestica da @pretararaoficial relatos de trabalhadoras domésticas denunciando as violências e abusos dos seus patrões.


É preciso questionar e constranger práticas que nos violentam, afinal, merecemos ser amadas sem a ótica do preterimento perverso que nos retira a humanidade e o direito a afetividade.




Samira Soares

É filha de Lençóis. Atualmente está em Salvador com o mestrado em Literatura e cultura.

É Ativista do MNU - Movimento Negro Unificado

Siga @narrativasnegras

Reflexões sobre raça, gênero e sexualidade.

Dicas de literatura, organização e lifestyle.


Posts recentes

Ver tudo

PARA RECEBER NOTÍCIAS - ASSINE!

Garimpei.com (21).png
  • Instagram
  • Facebook

© 2020 por Garimpei.com. Orgulhosamente criado com Wix.com

diamante_preto_png.png