Quem é essa gente que luta pela EMERGÊNCIA CULTURAL no meio da pandemia?



Mobilizar aprovação de uma lei da cultura no congresso nacional é um caminho longo de muito diálogo e mediação. Mais do que isso, é um reencontro com o "ser brasileiro".


O grupo que foi responsável pela articulação e sistematização da relatoria da Lei de Emergência Cultural Aldir Blanc (1075/2020) aprovada em 26 de maio, foi o mesmo grupo que liderou a luta pela Lei Cultura Viva, a Lei Griô Nacional e tantas outras lutas. Gente da gente. Gente que cresceu sendo griô aprendiz de mestre griô mateiro e violeiro no interior da Bahia; gente que cresceu no teatro de rua no meio da Lapa do Rio de Janeiro; gente que vendeu empadinha na rua, resistiu na ditadura e estudou história na universidade pública em São Paulo; gente que a escola não ensinou a escrever, mas a arte da contação de história, junto com a tradição oral fez reinventar a escrita e o palco da vida na Vila Industrial Campinas. É gente que lava prato, passa pano no chão, sobe no palco e corre pra falar na live.

É gente assim que faz um dia, no meio de uma pandemia, virar um dia histórico, porque sonha longe do próprio espelho, não tem tempo pra cair e é livre dos egos capitalistas e racistas, ladrões de sonhos. É gente de ponto de cultura, de rádio e webtv comunitária, de cineclube, de terreiro, de capoeira, da diversidade de grupos e comunidade