Ricardinho é o rei do rock!


O diminutivo do título é uma tradução carinhosa para chamar a grandiosidade de Little Richard, cantor estadunidense que morreu recentemente aos 87 anos. Negro, homossexual e pioneiro do rock, o cantor criou um estilo único, marcou um ritmo e um movimento que nasceu em um cenário influenciado por artistas negros do gospel da década de 30 e 40. O cantor inspirou ainda rockeiros famosos do mundo inteiro a associarem o gênero musical a um sentimento de liberdade, enfrentando tabus e preconceitos em um tempo onde o racismo era uma ordem social sólida. Atraiu a atenção de gravadoras e outros artistas que se interessavam pelo que estava surgindo... mas não exatamente da forma que estava sendo mostrada. A expansão mundial do ritmo - negro em sua origem - também expôs as estratégias usadas para que o rock entre de forma aceitável nos lares das famílias norte-americanas.

Um dos hits desta época é a música Tutti Fruti. Podemos ver a diferença entre a versão original da música, composta e gravada pelo próprio Richard, e as versões gravadas por Elvis Presley e Pat Bone . Inclusive é marcante a importância de Elvis para o movimento do rock e o próprio Richard reconheceu que o ídolo abriu caminho para tantos outros. Mas também afirmava a origem negra do ritmo: “Elvis era incrível, mas ele não foi um criador. Não quero dizer com isso que fosse pior, mas os autênticos criadores do rock‘n’roll foram negros”

E são os negros e negras que guiam e orientam o caminho em diversos segmentos. Continuemos na música. O rap, por exemplo, subverte e transforma em rima um histórico de opressão, insatisfação e revolta contra